Conheça algumas características da reprodução das seis espécies do Programa e entenda a importância

Filhotes de papagaio-de-cara-roxa (Foto: Zig Koch)

A primavera começou e com ela o ápice do período reprodutivo dos papagaios. Se tudo ocorrer como o esperado, logo os filhotes de papagaios estarão voando e aprendendo a sobreviver com ajuda de seus pais. Para isso, primeiro as aves adultas precisarão encontrar na natureza condições propícias para criar seus filhotes, como árvores que ofereçam cavidades adequadas para os ninhos, frutos em abundância para a alimentação e locais sem risco de roubo de filhotes ou desmatamento.

É importante que conheçamos as características dos papagaios e que tenhamos informações sobre o período reprodutivo dessas espécies. Este é dos mecanismos que propicia a conservação dessas aves em natureza e que permite que ações em prol de sua sobrevivência e da redução de ações ilegais sejam mais eficientemente tomadas. Ainda há muito trabalho a ser feito para que de fato possamos reduzir as ameaças que ainda impactam os papagaios brasileiros.

Características do período reprodutivo

Os papagaios costumam atingir sua maturidade sexual a partir dos dois anos de idade. Uma característica interessante é que eles escolhem um único par para a vida toda, por isso são chamados de monogâmicos.

A temporada de reprodução acontece entre setembro de um ano a fevereiro do ano seguinte, podendo se estender até março, para algumas espécies. Nesse período, as aves procuram ocos de árvores ou até em bromélias – como é o caso do papagaio-de-cara-roxa em áreas do litoral do Paraná.

A cópula geralmente ocorre entre os meses de agosto a novembro e pode resultar em até quatro ovos, que são incubados pela fêmea por até 30 dias dependendo da espécie. Enquanto isso, os machos ficam responsáveis por alimentarem a fêmea através da regurgitação, assim como farão com os filhotes recém-nascidos.

Com todos esses cuidados, após cerca de dois meses, os jovens papagaios estarão prontos para deixar os ninhos, mas ainda permanecerão próximos aos pais. Isto, porque os papagaios adultos costumam voltar para as mesmas áreas de nidificação e utilizar o mesmo ninho na temporada de reprodução seguinte.

Conhecimento para a conservação

Ovos de papagaios encontrados em ninho artificial (Foto: SPVS)

O monitoramento e acompanhamento do período reprodutivo dos papagaios é fundamental tanto para o melhor conhecimento da biologia e ecologia das espécies, quanto para minimizar ações ilegais, que impactam diretamente a sobrevivência dessas aves – como, por exemplo, o roubo de filhotes nos ninhos que são frequentemente registrados pelos pesquisadores. Ainda é comum que os técnicos encontrem ninhos danificados pela ação de traficantes, além de se depararem com vestígios que indicam o saque de filhotes. Infelizmente, nem sempre o monitoramento constante é suficiente para evitar a ação ilegal desses traficantes de animais.

No entanto, nem tudo são más notícias. Uma medida de manejo que vem trazendo resultados positivos é a instalação de ninhos artificiais em locais seguros. Unido a este esforço está um importante trabalho de comunicação e sensibilização da comunidade e de moradores locais no entorno das áreas nas quais são formados os ninhos – essas ações são promovidas pelos projetos de conservação dos papagaios integrantes do PAN Papagaios, parceiros do Programa Papagaios do Brasil. Além disso, regularmente são desenvolvidas oficinas de capacitação de profissionais para o combate as ameaças, produção de artigos científicos, parcerias com escolas para estimular projetos de educação para a conservação, dentre outras ações.

Colabore no combate às ameaças

Árvore com ninho natural derrubada (Foto: SPVS)

É na temporada de postura que os papagaios são mais ameaçados, sobretudo, pela caça e pela retirada de filhotes dos ninhos. Isso acontece porque, principalmente os filhotes, estão mais vulneráveis.

Para combater essas ameaças, a Polícia Militar Ambiental (PMA) e o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) reforçam suas ações e executam operações, de busca e apreensão. Durante esse delicado período, a colaboração dos cidadãos se faz ainda mais necessária! Se você tiver alguma informação que possa ajudar a combater o tráfico de papagaios e de outros animais silvestres, denuncie através do telefone 0800-61-8080.

Informe-se e se conscientize: lugar de papagaio é na natureza!

LEIA TAMBÉM: Como os ninhos artificiais têm ajudado a reprodução do papagaio-charão, papagaio-de-peito-roxo e papagaio-de-cara-roxa?