Ação-experimental contará com o apoio do Parque das Aves e do Projeto Papagaio-de-cara-roxa/SPVS para a instalação de ninhos de PVC em habitats seguros.

Nos últimos 30 anos, mais de 10 mil filhotes de papagaio-verdadeiro (Amazona aestiva) foram coletados ilegalmente  da natureza só no estado do Mato Grosso do Sul. Esta é a espécie de papagaio brasileiro mais visada pelos traficantes de animais silvestres, para ser comercializada ilegalmente como animal de estimação – por ser considerado o famoso “papagaio que fala”.

Criado em 1997, o Projeto Papagaio-verdadeiro é uma iniciativa que busca mobilizar as pessoas sobre a importância da conservação da espécie e seu ambiente natural, além de buscar sensibilizá-las a não comprar papagaios oriundos do tráfico no Brasil.

Entre as ações do projeto estão a pesquisa científica, campanhas de educação para conservação nos biomas Pantanal, Mata Atlântica e Cerrado, no Mato Grosso do Sul. Além dessas ações, realiza o mapeamento do tráfico dessa ave, em todo o Brasil.

Onde estão os ninhos?

O papagaio-verdadeiro utiliza cavidades naturais e ocos de árvores (muitas vezes, palmeiras mortas) para sua reprodução e abrigo dos filhotes até voarem. Tendo em vista que parte da atuação dos técnicos do projeto está o monitoramento periódico dos ninhos, observou-se que que cerca de 85% dos ninhos foram saqueados por coletores de filhotes, em uma das regiões de estudo.

Filhotes de papagaio-de-cara-roxa em um oco de árvore.
Foto: Zig Koch

Além da perda dos filhotes, o que impacta negativamente o crescimento populacional da espécie, muitas vezes os ninhos são danificados. Com isso, os casais de papagaios ficam impossibilitados de usarem esses ocos nos anos seguintes, limitando ainda mais as possibilidades de reprodução da espécie.

Ninhos artificiais

Na tentativa de minimizar os danos causados pelo tráfico, o Projeto Papagaio-verdadeiro iniciará uma ação-experimental, com a instalação de ninhos artificiais em locais seguros, como Unidades de Conservação e propriedades privadas parceiras, conhecidas como “Amigas do Loro”.

Além de aumentar a disponibilidade de locais seguros para a reprodução dos casais de papagaios, a ação busca mobilizar a população sobre a importância de preservar as árvores-ninho. A limitada oferta dos ninhos é uma das grandes ameaças à manutenção dos papagaios-verdadeiro em várias regiões.

Papagaio-de-cara-roxa em um ninho artificial de PVC.
Foto: Zig Koch

Essa ação-experimental contará com o apoio do Parque das Aves, que irá confeccionar os ninhos de PVC, e do Projeto Papagaio-de-cara-roxa/SPVS, que fará a orientação técnica para a instalação dos ninhos.

Esta ação tem sido realizada com sucesso no Estado do Paraná onde o Projeto Papagaio-de-cara-roxa/SPVS trabalha pela preservação do papagaio-de-cara-roxa e também do papagaio-charão.


0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *