Por meio do birdwatching milhões de pessoas se conectam com a natureza, aliviando o stress e a partir desse novo olhar, começam a enxergar o mundo de outra maneira

A prática de observação de aves ou birdwatching (do inglês) tem ganhado cada vez mais adeptos ao redor do mundo. E não é para menos: a atividade surgida na Inglaterra no século XVIII, pode ser praticada em qualquer lugar – no campo ou na cidade – e sem restrições, sendo adequada tanto para os adultos quanto para as crianças.

A nossa perspectiva tende a mudar conforme observamos as coisas mais de perto e isso também é válido com relação à arte de passarinhar (outra forma de chamar a prática no Brasil). Por isso, uma ave passa a ser muito mais interessante quando você começa a observá-la livre na natureza e entender suas características e comportamentos naturais. 

Só no Brasil, temos cerca de 20% das aves do mundo, ou seja, mais de 1.900 espécies. É provável que ainda existem muitas outras a serem descobertas! A graça da observação de aves é a possibilidade de se conectar com a natureza, exercitar a sua memória e concentração, além de estimular sua capacidade de observar detalhes. Tudo isso tem impacto direto na sua forma de enxergar o mundo e de encarar suas atividades diárias.

Essa atividade também gera um impacto direto na economia dos países. Só nos Estados Unidos, onde a observação de aves é desenvolvida há mais tempo, 600 mil empregos são oriundos desta prática, o que movimenta uma receita de quase US$ 106 bilhões por ano. Isso mostra um potencial enorme de geração de renda e emprego no Brasil, sobretudo para moradores do entorno de Unidades de Conservação – espaços territoriais, incluindo seus recursos ambientais, com características naturais relevantes.

Além da observação, você pode fazer fotografias e realizar pesquisas na internet para aprender mais sobre os nomes, vocalizações (sons que as aves emitem) características e comportamentos de cada espécie encontrada. Esses aprendizados são especialmente interessantes para as crianças, que têm a oportunidade de entrar em contato com o rico e biodiverso patrimônio natural de nosso país já nos primeiros anos de vida. 

Papagaio-verdadeiro | Foto: Victor Moriyama-Xibé

Para saber mais sobre as espécies e compartilhar seus registros online, você pode acessar sites como o eBird, com versão em português administrada por colaboradores da SAVE Brasil, Observatório de Aves do Instituto Butantan e a Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Outro portal interessante é o WikiAves, maior site do Brasil voltado aos observadores de aves, que possui 31.860 pessoas cadastradas. Até o momento da finalização deste artigo, cerca de dois milhões e oitocentos registros de 1.887 espécies diferentes foram feitos no portal! Dentre os registros estão as seis espécies do Programa Papagaios do Brasil. Por lá é possível ler mais sobre as características e hábitos de cada espécie, ouvir a vocalização dos papagaios, consultar o status de conservação e ler outras curiosidades sobre cada um deles. 

Além disso, os registros feitos por esses colaboradores voluntários são muito úteis para cientistas, pesquisadores, conservacionistas e educadores, pois permitem ampliar o conhecimento que se tem sobre a distribuição e ciclo migratório de cada espécie, fundamental para a conservação das mesmas.

A graça da observação de aves é a possibilidade de se conectar com a natureza, exercitar a sua memória e concentração.

Entendeu por que o birdwatching é recomendado para todo mundo? Então confira alguns equipamentos que podem te ajudar a ter uma experiência ainda mais divertida e interessante enquanto estiver passarinhando:

– Celular ou câmera para fotografar;

– Binóculos;

– Papel e caneta ou bloco de notas digital para anotar o que for identificado.

Para a sua segurança e das aves silvestres, procure uma distância segura para evitar acidentes. Para não as espantar, evite fazer barulhos ou movimentos bruscos. Por fim, procure utilizar roupas confortáveis que não restrinjam seus movimentos. Outra sugestão é procurar guias especializados ou grupos que já praticam o “passarinhar” na sua região. 

Gostou dessas dicas? Então vá lá fora e faça já seus próprios registros! E se você já pratica o birdwatching há algum tempo, comente abaixo se já teve a oportunidade de ver alguma espécie de papagaio na natureza. 🙂

LEIA TAMBÉM: Birdwatching: as experiências e dicas de quem entende do assunto

¹ http://g1.globo.com/jornal-hoje/noticia/2017/07/observacao-de-aves-salva-especies-e-movimenta-bilhoes-nos-eua.html


0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *