O que está levando os papagaios brasileiros mais próximos da extinção?

O que está levando os papagaios brasileiros mais próximos da extinção?

Glaucia Seixas com filhote de papagaio

Saiba quais são as maiores ameaças à vida dos papagaios no Brasil.

Você provavelmente conhece os papagaios principalmente por sua fama de imitarem a voz humana e “falarem”. Se esse é o caso, há outras coisas que você precisa aprender sobre essas aves: alguns deles estão em risco de extinção.

Existem no Brasil, ao todo, doze espécies de papagaios, das quais seis são motivo de preocupação. Estas seis são espécies cuja população está em risco ou é  muito visada pelos traficantes de animais silvestres, um dos fatores que, ano após ano, têm deixado esses animais mais próximos da extinção.

Tráfico de animais silvestres

Foto: SPVS

Assim que o período reprodutivo chega, o IBAMA e outros órgãos de fiscalização ambiental já sabem: apreensões de pássaros capturados ilegalmente vão acontecer quase que diariamente.

Frágeis em seus ninhos, os filhotes de papagaio são presa fácil para quem atua na ponta do tráfico, subtraindo aves diretamente da natureza para crescerem em cativeiros, até atingirem o tamanho ideal para a venda.

Hoje, o tráfico de animais silvestres só fica atrás do tráfico de drogas e de armas. Dos animais comercializados ilegalmente, cerca de 80% são aves, que acabam sendo engaioladas para serem animais de estimação no Brasil e no exterior.

Embora a lei preveja possibilidade de detenção e pagamento de multa, o crime ambiental de tráfico de aves silvestres muitas vezes não é compreendido pela população geral, que entende como normal a compra e venda de aves para domesticação.

O tráfico, no entanto, é uma atividade cruel, que mata e machuca milhares de animais todos os anos, e que acumula lucros ilegais que chegam à casa dos bilhões.

Desmatamento

Ambientalista do projeto Charão em frente a Floresta de Araucárias.

Outro fator que tem também prejudicado a vida dos papagaios é o desmatamento. Estima-se que hoje só reste 7% de toda a cobertura original da Mata Atlântica, um dos principais biomas habitados pelos papagaios.

Muitas das espécies fazem seus ninhos nos chamados ocos de árvores, espaços ovais presentes em troncos em árvores mortas. Com o desmatamento, a quantidade de árvores disponíveis para a reprodução é restrita, inibindo o ritmo de reprodução dessas aves.

Com menos árvores disponíveis, a alimentação também fica comprometida, já que a oferta de frutos e sementes é reduzida. Espécies como o papagaio-charão, que se alimentam de Araucárias nos estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul sofrem com o desmatamento dessas árvores e a população diminuiu drasticamente nos últimos anos devido a isso.

Mudanças Climáticas

As alterações climáticas, frutos da ação predatória e inconsequente do homem em relação à natureza nos últimos séculos, também têm cobrado sua conta.

Todo o ecossistema é afetado pelas variações de temperatura, o que implica mudanças notáveis no ciclo de migração e reprodução dos papagaios. Esse fator, junto ao desmatamento, torna ainda mais difícil a sobrevivência das espécies em seus habitats.

O que pode ser feito?

Na base das ações pela conservação das aves silvestres, em especial os papagaios, está a informação. É por isso que foi criado o Programa Papagaios do Brasil. Esta iniciativa foi criada em parceria com diversas instituições e pessoas que já trabalham por essa causa e que, juntos, se fortalecem para disseminar pelo país o conhecimento acerca dessas aves.

Conscientizar amigos e familiares sobre a ilegalidade do tráfico de aves silvestres e contribuir com ações, mesmo que pequenas, para a preservação do meio ambiente como um todo são de grande ajuda para a conservação dos papagaios. Afinal, papagaio feliz não fala, voa!

Denuncie o tráfico de animais silvestres: 0800 61 8080